Últimas Notícias do Brasil e do Mundo

Jovem diz que foi agredido por motorista de ônibus em SP e denuncia homofobia

O ator Marcello Santanna foi vítima de agressão na Zona Leste de São Paulo — Foto: Reprodução/Facebook
O ator Marcello Santanna, de 23 anos, disse ao G1 que foi vítima de homofobia e que foi agredido por um motorista de ônibus na manhã deste sábado (7) em Cidade Líder, na Zona Leste de São Paulo.

Segundo Santanna, o motorista parou o ônibus e falou para ele descer depois que viu o ator dando "selinhos" em outro rapaz. O ator saiu do veículo que faz a linha 3736-10 - Jardim Nossa Senhora do Carmo-Metrô Artur Alvim (os veículos desta linha são microônibus sem cobrador). Em seguida, o motorista desceu e deu um soco no seu rosto. O caso aconteceu na Avenida Maria Luiza Americano.

"Me recusei [a descer], disse que tinha pago e perguntei qual seria o motivo pra gente sair. Ele então, levantou e na mesma hora resolvi não criar uma discussão e me despedi desse rapaz e da minha prima", relatou.

"Ao descer, levantei as mãos e disse “tá tudo bem, eu vou embora”, ele já veio nos socos, sem ao menos em nem ter tempo pra terminar de falar. O rapaz e minha prima desceram pra me socorrer, o motorista entrou na lotaSegundo o jovem, logo em seguida passou outro ônibus da mesma linha. O motorista deste segundo ônibus o levou até a delegacia, onde Santanna foi orientado a procurar atendimento médico imediato. A prima e o outro rapaz o acompanharam. "Na delegacia foram muito solícitos, nos levaram até o Hospital Santa Marcelina", afirmou.

O rapaz pretende voltar à delegacia para registrar o boletim de ocorrência.

Em nota, a SPTrans, que administra o sistema de transporte público de São Paulo, afirmou que "já encaminhou o caso à empresa que opera a linha para que identifique o motorista e tome as providências cabíveis em relação a seu funcionário".

"Como gestora do sistema de transporte público, a SPTrans realiza junto às empresas operadoras o programa Viagem Segura, com treinamentos que incluem itens como condução segura, respeito aos passageiros, idosos e pessoas com mobilidade reduzida além de conduta durante casos de abuso. 

Em 2018, o programa treinou 62.739 trabalhadores entre motoristas, cobradores e fiscais", diz a nota.
Santanna disse que nunca tinha passado por uma situação dessa e incentiva as pessoas vítimas de homofobia a fazer a denúncia.ção e foi embora" (veja o relato completo ao final dessa reportagem).

Fonte: G1/SP

Marcello Santanna mostra resultado da agressão sofrida — Foto: Reprodução/Facebook