Morre em Cacoal homem que foi atropelado no domingo, na cidade de Ouro Preto


A madrugada do dia 26 de maio(domingo) tinha tudo para ser repleta de alegria e descontraída, como sempre foi para o carismático e querido Edvaldo Fialho dos Santos. Edvaldo e outras duas jovens foram atropelados na cidade de Ouro Preto, e segundo consta, o motorista fugiu do local.

O acidente ocorreu na avenida Daniel Combini, bairro União na Estância Turística por volta de 01h e as jovens, por sorte, tiveram apenas escoriações. Já Edvaldo, sofreu uma lesão na cabeça e, mesmo sendo socorrido rapidamente e transferido para uma UTI do Hospital Heuro, em Cacoal, não foi o suficiente para mantê-lo vivo. Na tarde desta terça-feira (4), após vários dias internado em coma, teve morte cerebral confirmada.



Edvaldo, um homem batalhador, que trabalhava no ramo de forro de gesso, deixa um filho e uma família que o amava, além de ótimas lembranças a centenas de verdadeiros amigos que sempre o terão como uma pessoa feliz e de bom coração.

Após o atropelamento

Na noite do dia do ocorrido, por volta das 18h30, um internauta, ao ler a matéria do atropelamento produzida pelo Gazeta Central, entrou em contato com a nossa reportagem informando que teria visto um homem com as mesmas características do veículo causador do acidente ingerindo bebida alcoólica mais cedo. Também disse que, minutos após o acidente, avistou o mesmo veículo (Gol, de cor escura) transitando pela rua do Bosque, no sentido avenida Capitão Sílvio Gonçalves de Farias.

A Polícia

A Polícia Civil, posteriormente após investigação, localizou e identificou tanto o veículo, da marca Volkswagen, modelo Gol, placa NBE-3772, cor verde, ano 1992/1993, vindo a apreendê-lo, como o condutor, que após ter saído do flagrante, se apresentou. Ao prestar depoimento, informou que não se lembrava do que teria ocorrido naquela madrugada.

Somente após a conclusão do inquérito é que o delegado irá indiciar o condutor. O crime imputado ao mesmo dependerá do que for apurado pela autoridade policial. Caso seja comprovado que o condutor estava dirigindo embriagado no momento do atropelamento, a situação tende a se agravar.

Fonte: Diário da Amazônia